Respiração

 Veja a maneira como o doente respira:
  •  Se a intensidade é profunda ou superficial
  • Se os dois lados do tórax movem-se ao mesmo tempo
  • Na contagem do número de respirações por minuto, anote só o número de inspirações a entrada de ar para os pulmões e expirações a saída de ar dos pulmões.
  • No adulto a normalidade varia entre 12 a 20/ minuto. Na criança ate 30 e no bebé pode ir a 40.

Nota: dispneia dificuldade em respirar.

Apneia: paragem respiratória.

 Alterações

  • Na febre alta ou infecções dos pulmões, os doentes respiram mais rápido: mais de 40 respirações superficiais e curtas no adulto e mais de 60. Numa criança pode indicar pneumonia
  • Assobios ou  SIBILOS chamados gatinhos ao sair o ar dos pulmões pode indicar asma
  • O ronco ou gorgorejo num doente inconsciente pode ser que a língua, muco pus ou uma substância estranha, estejam a obstruir as vias respiratórias.
  • Veja quando inspira (aspira) se entre o angulo do pescoço e as costelas por trás da clavícula a pele está a ser chupada (existe dificuldade na passagem do ar ) a garganta pode estar obstruída, ou pode ser devido a pneumonia, bronquite ou asma.

Pulsação                     PULSO

Pulso tirado nas artérias radiais: coloque os dedos indicadores e médios sobre artéria radial, como se mostra na figura e conte o ritmo das batidas.

Se não consegue sentir o pulso radial, procure senti-lo no pescoço ao lado da traqueia, a rapidez e a regularidade das pulsações têm significado:

  • Pulsação fraca: anemia intensa, colapso cardiovascular e choque, fraqueza geral extrema, lesão das válvulas do coração, sincope.
  • Pulso desigual em ambas artérias radiais: aneurisma da aorta, compressão de uma das artérias subclávias
  • Pulso irregular (arritmia)
  • Pulso rápido (taquicardia)
  • Pulso lento (bradicardia)

Pulso normal em repouso

Adulto———— 60 a 80 /minuto

Criança———–80 a 100/minuto

Bebé————–100 a 140/ minuto

 

Olhos                         OLHOS

  • Pupilas contraídas
  • Por causas medicamentosas: opiáceos (ópio, morfina, heroina e outras substâncias)
  • Causas normais: muita luz, quando se olha de perto e durante o sono.
  • Por enfermidades: Fotofobia (sensibilidade à luz), hipermetropia, irite
  • Pupilas de contornos irregulares: diferença de refracção de ambos os olhos, inflamação das meninges, neurosífilis, traumatismo craniano, tumores e abcessos cerebrais.
  • Pupilas dilatadas:
  • Causas medicamentosas: adrenalina, atropina e cocaína
  • Por enfermidades:: asfixia, ataque epiléptico, comas tóxicos, glaucoma, miopia avançada, sincope, dor e fraqueza.
  • Uma diferença grande entre as pupilas: é uma emergência médica, quando a pessoa está inconsciente devido a traumatismo na cabeça. Pode ser uma lesão cerebral ou uma trombose.
                                   Localização dos pontos no abdómen da dor, para diversas infecções a apalpação 
                                     PONTOS DE DOR 
                                                 A figura indica os pontos numerados  e destacados no quadro
 1—se dói: pode ser úlcera duodenal,2-–úlcera gástrica,3—úlcera duodenal,4—inflamação da vesícula,5—infecção da cabeça do pâncreas e do canal biliar principal ou colédoco, 6—ponto de Mcburney,7—espinha ilíaca anterior e superior,entre 6 e 7 é o verdadeiro ponto de Macburney (fossa ilíaca direita onde se encontra o apêndice),8-8′–Infecções da trompa ou do ovário ,9—cólon descendente e alça sigmóide.

 

seccçoes abdominais     !) Hipocôndrio direito

2)  Hipocôndrio esquerdo  (b) Região Umbilical    3) Flanco direito 4)  Flanco esquerdo

   c)  Região hipogástrica  6) Fossai ilíaca direita 7) Fossa ilíaca esquerda

 

 

                                                        

Pneumonias

 Pneumonias atípicas

 São afeções pulmonares que não são causadas pelo pneumococo, mas por bactérias como o estreptococo, o estafilococo, outras bactérias e  vírus.

  •  Pneumonia por vírus (Peumonia atípica primária)

 

  • Existem várias formas, como a produzida pelo vírus da gripe e os vírus da influenza e vírus respiratórios sincitiais e adenovirús e. mais recentemente. o Coronavírus. (síndrome respiratório agudo) Ocasionalmente, observa-se pneumonia intersticial (doença de Hecht) devido ao vírus do sarampo. Embora a pneumonia por vírus se assemelhe à síndrome designada por pneumonia atípica primária, distingue-se por características clínicas e radiológicas e os responsáveis por um grande número de casos de pneumonia atípica primária são o Mycoplasma pneumoniae e o Coronavírus.
  • Pneumonia pela bactéria da psitacose (Clamidias) que é transmitida pelos papagaios, periquitos e outras aves. A infeção resultante é do tipo pnemónico, que pode ser de característica grave quando não tratada; geralmente a enfermidade é benigna, assemelhando-se a um ataque de influenza com febre; nos casos graves, provoca bronco-pneumonia que envolve a base dos pulmões. São sensíveis alguns antibióticos, mas parece não resultarem as sulfas e penicilina.

 Sintomas

  • Calafrio intenso
  • Febre (pode chegar a 39,5ºc) mal-estar geral
  • Dor de cabeça e tosse seca e muito intensa e tardiamente pode ser mucopurulenta
  • Ardor atrás do esterno
  • A evolução é quase sempre benigna e mais longa que a pneumonia típica
  • O pulso e a respiração são quase normais
  •  Pneumonia lobar típica
  • É uma inflamação aguda do pulmão, cujo agente é, com frequência, o pneumococo
  • Geralmente afeta um lóbulo num dos pulmões

Sintomas

  •  Inicia-se bruscamente com calafrio intenso
  • Febre alta a 40ºc
  • Pontada dolorosa no tórax que aumenta com a tosse seca ou a falar e respirar fundo
  • Os sintomas dentro das 24 a 48 horas são característicos: pele seca e ardente, face avermelhada, respiração rápida e curta, temperatura elevada, pulso forte e cheio.
  • Aparece expetoração da cor da ferrugem.

Tratamento

Extra hospitalar

 Sem fatores de risco:

Eritromicina ou cefixima ou cefonicida x 10-15 d

Com fatores de risco

Eritromicina + Cefonicida X 10-15 d

Anaeróbios (com confirmação laboratorial) Benzilpenicilina altas doses ou clindamicina 15-21 d

(+ ou -) Tobramicina X 14d

Choque séptico ou insuficiência respiratória

Cefotaxima + Eritromicina+Tobramicina (se suspeita L. Pneumophila)

Hospitalar

Geral Cefotaxima + Amikacina

Legionelosis (Legionela pneumophila) Cefotaxima +Amikacina + Eritromicina

Estafilococos aureus cloxacilina ou vancomicina + amikamicina

Imunodeficientes

Ceftazidima + amikacina

Fungos

Anfotericina B

HIV Trimetroprime-sulfametoxazol ou isetionato de pentamidina 2-3 semanas

Broncopneumonias

  •  É uma infeção dos pequenos brônquios (bronquíolos) e do tecido pulmonar adjacente. É quase sempre uma infeção secundária a uma infeção das vias respiratórias ou gerais.
  • Embora possa ser uma enfermidade do adulto, é mais frequente na criança até aos sete anos, na terceira idade e pessoas enfraquecidas por qualquer enfermidade. O sarampo, a gripe, tifo e a bronquite podem ser a causa secundária. Os agentes causais podem ser muito diversos: o pneumococo, estreptococo, estafilococo e outras bactérias. (a infeção é geralmente mista)
  • Afeta habitualmente os dois pulmões.

Sintomas

  • Os sintomas variam de paciente para paciente e de um dia para o outro, mas os mais comuns são:
  • respiração rápida e, por vezes, difícil
  • cor da pele azulada
  • febre alta e pulso rápido e fraco
  • tosse intensa e expetoração que pode não existir

 Como distinguir uma pneumonia de uma bronco-pneumonia

 

 

 Pneumonia lobar  Bronco-pneumonia
    EnferEnfemidade primáriaInfeção por pneumococoComeço brusco

Febre alta e contínua que termina bruscamente

Expetoração cor de ferrugem

Infeção geralmente unilateral

 

Duração de oito dias aproximados

 

Sinais físicos típicos, faltando os de bronquite. Sopro tubário.

 

Enfermidade geralmente secundáriaInfeção mistaComeço gradual

Febre irregular que termina pouco a pouco (em lise)

Ausente ou mucopurulenta

Geralmente bilateral

 

Duração muito variável

 

Sinais físicos variáveis com predomino dos bronquiais

           

A bronco-pneumonia é uma infeção grave

Tratamento

 O mesmo da pneumonia. É necessário administrar oxigénio e aerossóis.

Edema agudo do pulmão

É uma infeção respiratória muito grave ligada a perturbações circulatórias, em que se observa transudação nos alvéolos pulmonares de serosidades provenientes dos capilares sanguíneos.

 Sintomas 

q          Ocorre quase sempre de noite, mas pode aparecer durante o dia, ao fazer um esforço

q          O doente pode acordar com uma sensação de angústia e constrição (aperto) torácica

q          Por vezes aparece uma dor precordial (ao nível do coração) e sente comichão na laringe que provoca tosse

q          Respiração difícil (dispenéia) de 40 a 50 respirações por minuto

q          O doente sente necessidade de estar sentada, a face é pálida e os membros cianosados (azulados)

q          Tosse contínua com expetoração característica: abundante, espumosa, cor-de-rosa, passando a ser branca.

q          O médico na auscultação das bases pulmonares e no final da inspiração ouve estertores (ruídos da respiração de um moribundo) finos abundantes

q          O pulso oscila entre 110 a 120 pulsações por minuto.

Tratamento

 É de extrema urgência chamar imediatamente o médico. A demora pode causar a morte.

 Como primeiros socorros:

q          Injetar coramina ou cardiozol

q          Evitar a hipotermia, tapando o doente com cobertores

q          Dar oxigénio

q          Fazer ligaduras elásticas nas raízes dos quatro membros para acumular o sangue das veias e a cada meia hora soltar a ligadura de um dos membros durante cinco minutos

q          As ligaduras não devem estar muito apertadas deve-se sentir a pulsação das artérias da parte inferior do membro

q          O tratamento médico pode ser de aminofilina, oxigénio sob pressão, tratamento da insuficiência cardíaca.

 Passada a crise, o prognóstico é o da infeção causal: estado dos rins e do miocárdio.

 Cancro do pulmão

O vício de fumar, as irritações pulmonares e bronquiais crónicas bem como a bronquite crónica proporcionam o aparecimento do cancro primário do pulmão, sendo mais frequente depois dos 40 anos.

Sintomas

Depende da localização do tumor e a sua origem, mas os sintomas mais comuns são:

q          emagrecimento, anemia, tosse persistente, hemoptise, expetoração às vezes com aspeto avermelhado

q          pode dar dor torácica acentuada

q          frequente dispenéia

q          bronquiectasia, abcesso do pulmão

q          derrame pleural sanguinolento

q          aumento acentuado de gânglios do tórax com compressão mediastinal

Diagnóstico

É feito por meios auxiliares de diagnóstico radiológico broncoscópico, pesquisa laboratorial de células malignas na expetoração.

Tratamento

Quando o diagnóstico é precoce, é feita a extirpação do pulmão ou o lóbulo afetado. É conveniente consultar o médico quando se tem tosse persistente e eliminar de imediato o fumo do tabaco.

Atelectasia pulmonar

É a colagem das paredes dos alvéolos pulmonares quando perdem o ar que contêm. As enfermidades descritas podem dar atelectasia, bem como traumatismos de operações cirúrgicas, corpos estranhos que penetraram nos brônquios.

 Sintomas

Se  a zona afetada do pulmão é grande, pode apresentar respiração acelerada e lábios cianosados.

Mordedura de cobra Definição

INJECÇÃO DO VENENO NA VÍTIMA

* Os efeitos clínicos do envenenamento estão dependentes da espécie, do comprimento da serpente, da idade, da altura da vítima e do tempo decorrido desde que se deu a mordedura

 

*Se alguém foi mordido por uma cobra, o primeiro passo é o de descobrir se se trata de uma cobra venenosa ou nã o                                          .

Serpentes venenosa s                          02-vibora-do-gabao-pVíbora do Gabão

* Têm grandes presas articuladas inoculadoras. * Têm mais um buraco entre a narina e o olho (fosseta loreal), que actua como uma visão infravermelha, que detecta variações de calor num raio de 5m). *Não têm placas grandes na cabeça, só escamas, bem como em todo o corpo. *Têm as pupilas verticais (mais nas cobras africanas e europeias). *Têm a cabeça triangular (mais nas cobras africanas e europeias).

Serpentes não venenosas

*Têm dentes ou presas não articuladas e não inoculadoras. *Não têm buracos além das narinas (fosseta loreal, que pode não se aplicar às serpentes africanas). *Têm grandes placas na cabeça.

*Têm a pupila redonda.

 

Sintomas                                      05-vibora-arieti-pariete

*Conforme a espécie, a vitima pode apresentar os seguintes sintomas: *mal-estar geral, hemorragias espontâneas através da gengiva, inchaço; *dupla visão, urina de cor castanha, dificuldade em abrir os olhos, lesão no ponto da inoculação do veneno (dois pontos vermelhos); *paragem renal, cefaleias, dispneia, taquicardia, hipotensão e parestesias.

O que se deve fazer

*Colocar uma ligadura compressiva ou garrote de ambos os lados da mordedura, sem apertar demasiado para não interromper o fluxo sanguíneo.

*Parta para a oclusão linfática se a picada for na mão ou braço. Tem efeitos benéficos se aplicada nos primeiros 30 minutos após a mordedura. Veja a figura. (No veneno hemotóxico é contra-indicada a aplicação do garrote). O garrote venoso não deve interferir com o fluxo arterial (não apertar demasiado).limitar a circu na picada de cobra

*Manter em repouso a zona afectada e manter a extremidade mordida abaixo do nível do coração. *Imobilizar o membro com uma tala. *Não sugar o veneno com a boca.

Para sugar (uma técnica popular): fazer 15 a 20 furos com uma agulha esterilizada, chupar o sangue e cuspir (se tiver feridas ou dentes cariados, não chupar o veneno e  no veneno hemotóxico é contra-indicado.

Nota importante                06-naja-cuspideira-p  cuspideira                                 04-naja-do-egito-p naja

Ao fazer incisões, pode provocar feridas e risco de infecção, que podem danificar as fibras musculares e os nervos, e agravar  a gangrena do membro se o veneno for hemotóxico.

A MAIORIA DOS TÉCNICOS  NÂO RECOMENDA ESSE PROCEDIMENTO. É mais seguro não sugar o veneno. *Desinfectar a ferida. Vigiar as funções vitais, em particular os sinais de sintomas de choque. *Não dê líquidos a beber. *Procure urgentemente quem possa aplicar um soro contra o veneno (antídoto). *se estiver sozinho, procure rapidamente quem o possa auxiliar e depois não faça movimentos para não facilitar a rápida absorção do veneno pelo organismo. *Para aplicar o soro, é necessário seguir as instruções do laboratório e ser um técnico de saúde. *Não perca tempo com remédios caseiros, pois só a aplicação do antídoto resulta.

Tratamento Tenha sempre anti-veneno das cobras da região e faça a sua aplicação de acordo com as instruções do laboratório. Esteja preparado para uma reacção imediata ao soro (choque anafilático).

*Os soros podem ser líquidos e têm um duração de 3 anos conservados no frigorífico, e liofilizados ou secos, que podem durar no frio até 5 anos. Por vezes, é mais segura a aplicação do soro antiofídico polivalente. As aplicações em hospitais é a mais recomendada. Por vezes, são necessários 5 a 20 frascos de soro injectados em doses crescentes de 4 a 6 horas.

Cobras africanas                                                          

 

      03bamverde  mambaverde            01-mamba-negra-g    mambanegra

Mamba negra, (Dendroaspis polypsis)

O seu veneno é neurotóxico, tem um bote (salto) rápido e mata a vítima rapidamente se esta não for tratada. O seu comprimento é de até 3.5m.

Víbora do Gabão (Bitis gabonica)

Serpente cujas presas podem atingir 5cm. O seu veneno é hemotóxico, produz edema e perda do membro e pode levar a vitima à morte, se não for tratada. O seu comprimento é de 1.5 m.

Boomslang (Disphoslidus typus)

O seu veneno é hemotóxico, causa hemorragias severas internas e das mucosas. A acção do veneno é lenta e os sintomas sérios levam 24 a 48 horas a aparecerem. O seu comprimento é de 1.2 a 2.m.

Naja do Egipto (Naja haje annulifera)

O veneno é neurotóxico potente, causa a paralisia e morte rápida se a vítima não for tratada com urgência. O seu comprimento pode chegar a 2.5 m.

Víbora Ariete (Bitis arietans)                       05-vibora-arieti-p

O veneno citotóxico potente causa dor e edema no local da picada e leva à morte, se a vítima não for tratada. O seu comprimento pode chegar a1.2 m.

Naja Cuspideira (Hemachatus heamachatus)

Esta cobra pode cuspir o seu veneno até 3 metros, o seu veneno é neurotóxico, afecta o sistema respiratório e pode levar à morte e cegueira, se atinge os olhos. O seu comprimento é de 1m a 1.5m.

Víbora de chifre (Bitis caudalis)  07-vibora-de-chifre-p

O veneno é moderadamente citotóxico, causa muita dor e necrose local. O seu comprimento é de 25 a 50cm.

Considerações: com algumas excepções, os botes das cobras podem atingir metade do seu comprimento. A mamba negra é a cobra mais veloz, atinge uma velocidade de 20 km/hora.

Projecto. Ómega