ESCHERICHIA COLI

FAMÍLIA ENTEROBATERIAÇAE

  Caracteres antigénicos:

Além do antigénio (O) e (H), a maior parte das estirpes isoladas possuem ainda os antigénios (K), que engloba um conjunto de 3 Antigénios: L, A e B. Estes antigénios são somáticos e formam invólucros de cápsula que impedem a aglutinação (O) das bactérias vivas pelos soros homólogos.

   Patogenia

A bactéria, é um componente principal da flora aeróbia normal do intestino e em qualquer momento torna-se elevado o número de serotipos presente no intestino.

Em certas condições, estes germes tornam-se patogénicos e encontram-se frequentemente nas infecções piogénicas do tracto urinário. A suspeita de que E. coli poderia causar gastroenterite no intestino dos bebes, foi confirmada através de provas serológica por Bray em 1945 e a respectiva estirpe é designada por E. coli O111, possui tal como outros tipos enterpatogénicos (por exemplo O26, O55, O119 e O128) um antigénio (B) do grupo (K)

Os mais recentes estudos microbiológicos da genética e biologia molécular das diversas estirpes, deram origem à seguinte classificação:

  • 1 Escherichia coli enteropatogénica (ECEP);
  • 2 Escherichia coli enterotoxigénica (ECET) ;
  • 3 Escherichia coli enteroinvasiva (ECEI) ;
  • 4 Escherichia coli enterohemorrágica o verotoxigénica (ECEH) ;
  • 5 Escherichia coli enteroagregativa (ECEA) ;
  • 6 Escherichia coli aderencia difusa (ECAD)
  • 1 Estirpe epidémica na Alemanha em 2011 (SHU);

Sintomas

 

  1. Os sintomas mais comuns são: diarreia e dores de barriga intensas;
  2. Vómitos em alguns casos e febre..;
  3. Às vezes, após dois a três dias, a diarreia se torna sanguinolenta;
  4. Estes sintomas em geral desaparecem após seis a oito dias. Em pequeno; número de pessoas, esta estirpe de coli, pode causar um problema raro, mas muito sério, denominado síndrome urémico hemolítica (SHU);.

 Estirpe responsável por centenas de mortes?

A Escherichia coli O157:H7 é una das centenas de estirpes da Escherichia coli existentes; embora maioria das estirpes sejam inócuas, o seu habitat é o intestino dos seres humanos e animais saudáveis. Esta estirpe produz una potente toxina que pode ocasionar enfermidades graves como a síndrome urémico hemolítica

A Escherichia coli O157:H7 foi reconhecida inicialmente como a causa de enfermidade em 1982, durante uma endemia diarreica aguda com sangue nos USA e . determinou-se que a estirpe se devia a hamburgueres contaminados.

Síndrome urémico hemolítica


A síndrome urémico hemolítica (SHU) é uma doença que ocorre quando se contrai uma infecção no sistema digestivo e produz substâncias tóxicas, que destroem as células vermelhas do sangue e muitas vezes afecta os rins.

 

Alimentos que Podem Ser Contaminados

As folhas verdes tais como espinafre, pepinos, repolho e couve, são ricos em nutrientes saudáveis, mas fazem parte da lista dos 10 alimentos de alto risco regulamentada pela Food and Drug Administration (FDA). nos USA

As folhas verdes são uma das maneiras mais fáceis de intoxicação alimentar, pois podem estar contaminados com germes como:

  • Norovírus;
  • Salmonelas
  • .Outras estirpes;

As folhas verdes foram responsáveis ​​por 363 surtos de doenças transmitidas por alimentos a 13.568 pessoas desde 1990, de acordo com o grupo de defesa do consumidor dos USA.

Também nesta lista de mantimentos perigosos encontram-se: nos ovos, atum, ostras, batata, queijo, sorvete, tomate, rebentos e frutos silvestres.

Tratamento

Parece não haver tratamento para a infecção por E. coli O157:H7. Quanto aos Antibióticos existem opiniões que estes fármacos não ajudam e podem até ser prejudiciais. Este conceito não tem confirmação científica. Não use medicamentos para parar a diarreia sem receita médica. Ela desaparece em poucos dias. Beba bastantes líquidos para repor o líquido perdido. Nos casos mais graves de SHU, às vezes são realizadas diálises até que os rins e o sangue do paciente voltem ao normal. A orientação do tratamento deve ser médica.

                                                         Liquido para gastroenterite aguda

                                       Use em pequenas quantidades para não provocar vómitos

Solução sem potássio

 

Concentração aproximada em                                                     mmol/L
Na K CL
CALORIAS/LITRO
   (APROXIMADO)
¼ de colher de chá de sal de mesa

2 colheres de açúcar

900ml de água corrente

 

 

20-30

 

 

0

 

 

20-30

 

 

120

 

Solução com concentração moderada de K

 

Concentração aproximada em mmol/l
Na k Cl

Calorias/litro

¼ De colher de chá de sal de mesa

1 Colher de chá de açúcar

325 ml de sumo de laranja

Água da torneira 480ml

 

 

 

20-30

 

 

20-a25

 

 

20-30

 

 

240

 

Diagnóstico

É feito pelo exame bacteriológico das fezes

 Profilaxia

Os vírus, bactérias e outros microorganismos, estão a tornar-se mais agressivos, a higiene é o meio mais seguro de prevenção. Siga as seguintes recomendações:

 

  1. Não coma alimentos crus sem serem bem lavados com jacto de água;
  2. Lave bem as mãos ao manusear estes alimentos.
  3. Este germe vive nas vísceras e intestino do gado sadio e pode contaminar a carne durante o abate dos animais;
  4. Os germes são mortos quando a carne é bem cozida ou bem passada;
  5. A origem alimentar mais comum é a carne moída, porque ao moer a carne, os germes espalham-se por toda a carne;
  6. Estes germes são também encontrados no leite, no queijo fresco (não pasteurizado,) rosbife, sumos de vários frutos como a maçã sem controlo laboratorial industrial e nos produtos hortícolas regados com águas altamente inquinadas. (use alimentos pasteurizados);

 

Obs: todos os utensílios para preparar alimentos como tábuas devem ser bem lavados e desinfestados. Substitua periodicamente os esfregões de lavar louça.

Não deixe de comer saladas, somente siga escrupulosamente as instruções dadas.

Gastroenterite Aguda

Redrate
Redrate 20 saquetas pó para solução oral
Medicamento indicado na correção da desidratação em casos de diarreia, vómitos e outros estados de desidratação.

Definição: síndrome diarreica aguda de menos de oito dias de evolução com a diminuição da consistência das fezes e um aumento da frequência das dejecções.

Causas

    O agente causal nas gastroenterites

1)      Invasivo/inflamatório: Salmonela, Shigella, Campylobacter, Escherichia. Coli Yersinia enterocolitica, Clostridium difficile, Citomegalovírus.

 2)      Não invasiva: toxicogénica., Sataphilococus. aureus, E. coli, Bacillus. cereus, Clostridium. perfringens, Vibrião. cholerea, Rotavírus, vírus de Norwaik, Parvovírus, Adenovírus, vírus da Coxsackie, Giardia lamblia, Criptosporydium, Isospora belli. (protozoário)

 3)      Não infecciosas: alimentares, fármacos, (antibióticos laxantes digitálicos tóxicos e simpaticomiméticos).

Diagnóstico médico

Suspeita de germe invasivo quando há sangue nas fezes, febre, calafrios, o hemograma com 15000 leucócitos /mm3 com aumento de neutrófilos em bastonete na fórmula leucócitaria.

Exames complementares: coprocultura, pesquisa de ovos e parasitas, quistos e trofozoitos, hemograma, ionograma (equilíbrio ácido/ básico), creatinina, sangue oculto nas fezes, radiologia simples do abdómen, rectoscopia com biópsia.

Tratamento médico

Casos com pouca gravidade: rehidratação oral e medidas alimentares.

Trimetroprime-sulfametoxazol 160a80 mg p.o 12-12 h. (pediatria: 8 a 40 mg/kg/d  p.o .em 2 doses)

Ou ciprofloxacino: 250a750 mg p.o. de 12em12 h. 8a14 d.

Para os vómitos metoclopramida. Como antipirético paracetamol com o brufene alternado.

Difenoxilato e loperamida para melhorar a dor e diminuir o número de dejecções (estão contra-indicados se existem germens invasivos)

  Grave: hidratação parenteral, trimetoprime-sulfametoxazol ou ciprofloxacino.

Literatura auxiliar GUIA MERK e Saúde Pela Alimentaçã

Procure sempre ajuda médica.

transferir (1)

                    ANOPHELES

images

                   ZANZARA TIGRE

 

Parasitas da malária (paludismo) humano 

(Género Plasmodium)                                                     

 Formas no hospedeiro humano: 

O esporozóito (corpúsculos muito pequenos) é introduzido na pele pela picada do mosquito infectado

 Fase esquizogónica pre-eritrocitica (Transformação no fígado do esporozóito em trofozóito que produz mais de10000 merozóitos) 

 Formas assexuadas nos glóbulos vermelhos (nova transformação no interior dos glóbulos vermelhos dos merozoítos em trfozóitos jovens)

 Gametócitos nos glóbulos vermelhos (Desenvolvem-se a partir dos merozóitos)

Espécies de plasmódios agentes da malária humana:

  1. Plasmodium vivax
  2. Plasmodium falciparum
  3. Plasmodium malariae 
  4. Plasmodium ovale

Nenhuma das raças humanas está imunizada contra as quatro espécies de parasitas da malária. A malária é hiperendémica nas regiões tropicais. Outros factores do hospedeiro humano, compreendem as formas do parasita no sangue circulante do doente e o número de indivíduos infectados numa comunidade. Podemos considerar factores relevantes como:

  1. a) A transmissão exige um grau elevado de gametócitos maduros de ambos os sexos no sangue.
  2. b) A vitalidade dos gametócitos varria de indivíduo para indivíduo em diferentes períodos da infecção e virulência da estirpe do plasmódio
  3. c) Portadores são os doentes em que permanecem no seu sangue circulante, por um período considerável, gametócitos. Representam perigo para a comunidade. 
  4. d) A proliferação varia com as diferentes espécies de mosquito Anopheles e o local escolhido para a postura dos ovos.
  5. e) Como profilaxia, o objectivo é evitar a transmissão dos plasmódios do homem ao mosquito, pelo tratamento das infecções humanas e protecção das populações pela picada do Anopheles

Como medidas contra o mosquito: protecção das habitações com redes nas janelas e portas interiores, mosquiteiros nas camas, pulverização das paredes interiores com insecticidas.

Acção patogénica e sintomatologia

 A primeira manifestação característica da malária vivax, ovale ou quartã surge subitamente com um arrepio seguido de temperaturas de 40ºc – 40.6ºc 

 Na infecção aguda: dores de cabeça, dores musculares, náuseas e vómitos, dores abdominais, pulso e respiração rápidos. Depois de prolongar-se por várias horas o acesso febril termina com o doente exausto, mas aliviado. 

 No Plasmodium falciparum o arrepio é menos pronunciado, mas a crise febril é mais prolongada. A malária falciparum é acompanhada de manifestações perniciosas como: convulsões, colapso cardíaco, e pode Não se registar elevação apreciável da temperatura

 

Complicações da malária

 O P. vivax e ovale não trás complicações. O P. falciparum pode ter consequências graves sobretudo na criança, a malária cerebral pode ocorrer subitamente com temperaturas muito altas e convulsões coma e morte. 

 Nos episódios clínicos agudos, manifesta-se a febre hemoglobinúrica, embora possa ocorrer apenas nas frequentes exposições ao parasita, com tudo ainda pode aparecer algumas semanas de pois da infecção, com: arrepios severos, calafrios, febre elevada, icterícia, vómitos e anemia com emissão de urina vermelho-escura ou preta.

 No P. falciparum quando os parasitas desaparecem do sangue dá-se a cura. Nos outros tipos, pode dar-se a ocorrência de recidivas que paras o P. vivax continuam por um período de 2-3 anos. Na febre quartã pode surgir um novo ataque muito anos após o primeiro.Tratamento da malária

(Sugestões)

O tratamento do doente deve fornecer alivio rápido e seguro dos sintomas que acompanham a infecção eritrocitica.

Usou-se durante muito tempo a cloroquina e amodiaquina:

 Para o tratamento de todas as espécies fosfato de cloraquina oral 1gr imediatamente, depois 500mg dentro de 6 horas e 500mg no segundo e terceiro dias   

 Injectável nos doentes com vómitos e em estado de coma. Estas formas de malária, contudo adquiriram alguma resistência e virulência é necessário recorrer a outras formas de medicação como:

 Nos primeiros 3 dias no adulto um comprimido de 500mg de cloridrato de quinino de 8 em 8 horas durante 10 dias

 Na criança 10mg por cada quilo de peso de 8 em 8 horas ( o quinino deve ser tomado após uma refeição)

 Como alternativa pode-se associar a tetraciclina com o quinino:

Quinino nos primeiros três dias. Tetraciclina sem quinino durante mais três dias.

Observação: deve-se ter cuidado com alergia e reacções ao nível da medula. (detectáveis por análise de sangue)

 

No hospital da Missão do Bongo em Angola (zona endémica do P. falciparum) usava- -se associação da resoquina oral com o quinino oral.

 

A mais usual é aplicação de cloridrato de quinino diluído em soro glicosado na concentração de 1mg para cada ml de soro, gota a gota, contínuo e lentas aproximadamente 4 horas. 

NOTA: atenção aos diabéticos

 

Nas regiões em que o paludismo não é resistente, pode-se dar a seguinte medicação com comprido de 150 mg de cloraquina oral

                                          dia                            dia                           dia

                                              1º                              2º                             3º      

      

No adulto                    4 comp                   3 comp                 3 comp

de 12 a15 anos           3 comp                  2 comp                 2 comp

de 7 a 11 anos            2 comp                  1,5 comp              1.5 comp

de 3 a 6  anos             1 comp                   1   comp               1 comp

de 1 a 2  anos             1 comp                   0,5 comp             0,5 comp

6 a 11    meses           05 comp                  0.5 comp            0,5 comp

Quinidina: 15 mg/kg e.v. lento 4 h. na primeira dose+ 12mg/kg e.v em 4 h. de 8 em 8h. ou 10mg/kg p.o. de 8 em 8  h.

Cloraquina: 600mg + 0.5g depois de 6h. + 0.5g/d 2 dias (dose total 2.5 g)  ou 600mg e.v. em 300ml de soro fsiológico durante 2- 4 h. e de 8 em 8h. até ao tratamento oral. 

Dose pediátrica: 10mg/kg p.o.+ 5mg/kg 6h. depois+ 5mg/kg 2 dias (para profilaxia 5mg/kg /semanal

 

ANTIPALUDICOS

Alcalóide cinchónicos————Orais———————-Quinina

                                                                     Parentéricos————Quinidina

 

Aminoalcoois——————— Orais———————-Halofantrina

                                                                                           

                                                                    Parentérico————-Mefloquina

 

4-aminiquinoleínas—————Orais——————– Amodiaquina    

                                                                                                                    Cloraquina      

8-aminiquiloneínas—————-Orais——————    Primaquina

 

 

Antibióticos———————–   Orais——————–Clindamicina

                                                                                                                   Clorotetraciclina

                                                                                                                   Doxiciclina

                                                     

                                                                    Parentéricos———–          Clindamicina

 

Biguanidas————————–  Orais——————–Proguanil  

 

Diaminopiridinas——————- -Orais——————Pirimetamina

 

Sulfamidas e sulfonas ————- -Orais——————-Dpsona           

   NOTA:

Para tonificar o organismo, tome com frequência um duche quente de longa duração, seguido de duche frio de curta duração, dirigindo o jacto do chuveiro sobre a coluna vertebral e pernas. Tome sumo de Aloé vera.

Estas medicações  destinam-se a técnicos de saúde em zonas carenciadas  e  não substituem o critério médico .

PO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                     Tromboangeíte obliterante

 É uma enfermidade que se caracteriza pela obstrução gradual das artérias e veias dos membros inferiores por tromboses e ataca mais os homens dos 25 aos 45 anos de idade. A causa principal é o tabaco.

Sintomas

  • O caminhar certa distância sobrevem uma dor que impede a marcha e o doente tem de descansar
  • A dor manifesta-se nos dedos do pé e barriga da perna e manifesta-se mesmo em repouso e à noite.
  • Pode aparecer sinais de gangrena nos dedos dos pés e mesmo em todo o pé.

 Tratamento

  • Eliminar a causa (deixar de fumar o tabaco ou a Canabis)
  • Repousar na cama até que desapareça a dor
  • Evitar o peso da roupa da cama sobre os dedos e a perna
  • Mantenha a cabeceira da cama mais alta que os pés
  • Mantenhamos flexionados ligeiramente os joelhos
  • Vigiar o calcanhar de modo a não comprometer a circulação a esse nível
  • Faça o seguinte exercício ao membro afectado:

 

  1. Levantar as pernas a um angulo de 45º até notar que os pés ficam pálidos. (leva 30 segundos a 2 minutos)
  2. Sentar o doente no barda da cama e deixar os pés pendentes 2 a 3 minutos até que os pés fiquem vermelhos
  3. Deitar o doente em decúbito horizontal deixando as pernas na posição horizontal 3 minutos
  4. Repetir este ciclo 5 vezes e fazer este exercício 3 vezes ao dia

 

  •  Fazer uma dieta com bastantes líquidos e nutritiva.
  • Não fazer aplicações quentes. Deixar de fumar é uma medida de profilaxia urgente.
  • Aplicar o banho de contraste 3 vezes ao dia (consulte o capitulo hidroterapia).
  • Consulte o médico que pode receitar vasodilatadores.
  • Esta enfermidade pode levar a amputação do membro, o acompanhamento médico é imprescindível.