O COlESTEROL

Hipercolesterolemia é um  Factor de risco cardiovascular

O colesterol é importante na produção das hormonas sexuais e na reconstrução das membranas celulares. É uma substância produzida no fígado a partir das gorduras que se ingerem na alimentação. O colesterol é necessário para o crescimento normal do organismo.

No sangue circulante, encontram-se duas espécies de colesterol ou lipoproteínas de baixa e alta densidade, ou seja, o LDL e HDL, mais conhecidos por mau e bom colesterol. As suas funções específicas são:

1- o LDL transporta o colesterol do fígado para as células, produzindo depósitos nas paredes dos vasos sanguíneos e bloqueando os vasos, por isso é conhecido vulgarmente como “mau colesterol”.

2- o HDL transporta o excesso de colesterol circulante para o fígado para ser eliminado. Devido a esta acção benéfica, é conhecido por “bom colesterol”.

Os fármacos usados são conhecidos por estatinas, que regulam a concentração dos lípidos e devem ser tomados com vigilância médica. As estatinas mostraram-se seguras eficazes na prevenção secundaria das doenças coronárias

A hipercolesterolémia é a causa mais comum de doença cardíaca.

Outros factores que aumentam o risco de doenças cardíacas são: a pressão arterial alta, a diabetes, a obesidade, o tabagismo e a falta de exercício físico.

Pode baixar o colesterol através de plantas lipimiantes, exercício físico e uma alimentação racional, sendo que a mais recomendada é a ovo-lactovegetariana ou a vegetariana.

O óleo de onagra faz baixar o colesterol abra o link e ouça o áudio

A OMS RECOMENDA VALORES INFERIORES a 180mg/dl de soro sanguíneo a diminuição das lipoproteínas de alta densidade 35 mg/d e triglicéridos acima de 250 mg/dl, é um risco relacionado com as doenças cardiovasculares.

 

ESCHERICHIA COLI

FAMÍLIA ENTEROBATERIAÇAE

  Caracteres antigénicos:

Além do antigénio (O) e (H), a maior parte das estirpes isoladas possuem ainda os antigénios (K), que engloba um conjunto de 3 Antigénios: L, A e B. Estes antigénios são somáticos e formam invólucros de cápsula que impedem a aglutinação (O) das bactérias vivas pelos soros homólogos.

   Patogenia

A bactéria, é um componente principal da flora aeróbia normal do intestino e em qualquer momento torna-se elevado o número de serotipos presente no intestino.

Em certas condições, estes germes tornam-se patogénicos e encontram-se frequentemente nas infecções piogénicas do tracto urinário. A suspeita de que E. coli poderia causar gastroenterite no intestino dos bebes, foi confirmada através de provas serológica por Bray em 1945 e a respectiva estirpe é designada por E. coli O111, possui tal como outros tipos enterpatogénicos (por exemplo O26, O55, O119 e O128) um antigénio (B) do grupo (K)

Os mais recentes estudos microbiológicos da genética e biologia molécular das diversas estirpes, deram origem à seguinte classificação:

  • 1 Escherichia coli enteropatogénica (ECEP);
  • 2 Escherichia coli enterotoxigénica (ECET) ;
  • 3 Escherichia coli enteroinvasiva (ECEI) ;
  • 4 Escherichia coli enterohemorrágica o verotoxigénica (ECEH) ;
  • 5 Escherichia coli enteroagregativa (ECEA) ;
  • 6 Escherichia coli aderencia difusa (ECAD)
  • 1 Estirpe epidémica na Alemanha em 2011 (SHU);

Sintomas

 

  1. Os sintomas mais comuns são: diarreia e dores de barriga intensas;
  2. Vómitos em alguns casos e febre..;
  3. Às vezes, após dois a três dias, a diarreia se torna sanguinolenta;
  4. Estes sintomas em geral desaparecem após seis a oito dias. Em pequeno; número de pessoas, esta estirpe de coli, pode causar um problema raro, mas muito sério, denominado síndrome urémico hemolítica (SHU);.

 Estirpe responsável por centenas de mortes?

A Escherichia coli O157:H7 é una das centenas de estirpes da Escherichia coli existentes; embora maioria das estirpes sejam inócuas, o seu habitat é o intestino dos seres humanos e animais saudáveis. Esta estirpe produz una potente toxina que pode ocasionar enfermidades graves como a síndrome urémico hemolítica

A Escherichia coli O157:H7 foi reconhecida inicialmente como a causa de enfermidade em 1982, durante uma endemia diarreica aguda com sangue nos USA e . determinou-se que a estirpe se devia a hamburgueres contaminados.

Síndrome urémico hemolítica


A síndrome urémico hemolítica (SHU) é uma doença que ocorre quando se contrai uma infecção no sistema digestivo e produz substâncias tóxicas, que destroem as células vermelhas do sangue e muitas vezes afecta os rins.

 

Alimentos que Podem Ser Contaminados

As folhas verdes tais como espinafre, pepinos, repolho e couve, são ricos em nutrientes saudáveis, mas fazem parte da lista dos 10 alimentos de alto risco regulamentada pela Food and Drug Administration (FDA). nos USA

As folhas verdes são uma das maneiras mais fáceis de intoxicação alimentar, pois podem estar contaminados com germes como:

  • Norovírus;
  • Salmonelas
  • .Outras estirpes;

As folhas verdes foram responsáveis ​​por 363 surtos de doenças transmitidas por alimentos a 13.568 pessoas desde 1990, de acordo com o grupo de defesa do consumidor dos USA.

Também nesta lista de mantimentos perigosos encontram-se: nos ovos, atum, ostras, batata, queijo, sorvete, tomate, rebentos e frutos silvestres.

Tratamento

Parece não haver tratamento para a infecção por E. coli O157:H7. Quanto aos Antibióticos existem opiniões que estes fármacos não ajudam e podem até ser prejudiciais. Este conceito não tem confirmação científica. Não use medicamentos para parar a diarreia sem receita médica. Ela desaparece em poucos dias. Beba bastantes líquidos para repor o líquido perdido. Nos casos mais graves de SHU, às vezes são realizadas diálises até que os rins e o sangue do paciente voltem ao normal. A orientação do tratamento deve ser médica.

                                                         Liquido para gastroenterite aguda

                                       Use em pequenas quantidades para não provocar vómitos

Solução sem potássio

 

Concentração aproximada em                                                     mmol/L
Na K CL
CALORIAS/LITRO
   (APROXIMADO)
¼ de colher de chá de sal de mesa

2 colheres de açúcar

900ml de água corrente

 

 

20-30

 

 

0

 

 

20-30

 

 

120

 

Solução com concentração moderada de K

 

Concentração aproximada em mmol/l
Na k Cl

Calorias/litro

¼ De colher de chá de sal de mesa

1 Colher de chá de açúcar

325 ml de sumo de laranja

Água da torneira 480ml

 

 

 

20-30

 

 

20-a25

 

 

20-30

 

 

240

 

Diagnóstico

É feito pelo exame bacteriológico das fezes

 Profilaxia

Os vírus, bactérias e outros microorganismos, estão a tornar-se mais agressivos, a higiene é o meio mais seguro de prevenção. Siga as seguintes recomendações:

 

  1. Não coma alimentos crus sem serem bem lavados com jacto de água;
  2. Lave bem as mãos ao manusear estes alimentos.
  3. Este germe vive nas vísceras e intestino do gado sadio e pode contaminar a carne durante o abate dos animais;
  4. Os germes são mortos quando a carne é bem cozida ou bem passada;
  5. A origem alimentar mais comum é a carne moída, porque ao moer a carne, os germes espalham-se por toda a carne;
  6. Estes germes são também encontrados no leite, no queijo fresco (não pasteurizado,) rosbife, sumos de vários frutos como a maçã sem controlo laboratorial industrial e nos produtos hortícolas regados com águas altamente inquinadas. (use alimentos pasteurizados);

 

Obs: todos os utensílios para preparar alimentos como tábuas devem ser bem lavados e desinfestados. Substitua periodicamente os esfregões de lavar louça.

Não deixe de comer saladas, somente siga escrupulosamente as instruções dadas.

Definição: Infecção pulmonar causada por um conjunto de doenças conhecidas e de origem desconhecidas como: Hemossiderose pulmonar idiopática, Proteínose alveolar do pulmão, sarcoidose e também de causas não identificadas. (idiopáticas ou de origem desconhecida) Causas:

  1. Medicamentosas e substancias tóxicas como: bulsulfano, ouro, sulfonamidas, ciclofosfamida, tabagismo e outras em investigação
  2. Poeiras portadoras de fungos e excrementos de aves
  3. Vapores com cloro e dióxido de enxofre
  4. Poeiras minerais com: sílica, amianto e limalhas metálicas
  5. Infecções a vírus, riquétsias micoplasmas e ainda tuberculose disseminada
  6. Alterações do sistema imune como: a artrite reumatóide, esclerodermia, pollimiosite e ainda casos raros de lupos eritematoso sistémico.
  7. Radioterapia e radiações industriais

Sintomas:    Os sintomas mais vulgares são: tosse, cansaço, perda de peso apetite e dores suaves no tórax. Na progressão da enfermidade a lesão pulmonar evidencia complicações como uma insuficiência cardíaca, dificuldade respiratória durante o esforço e perda de força.    Numa fase avançada da doença, com diminuição da oxigenação do sangue, a pele pode tornar-se azulada, e, as pontas dos dedos podem tomar aspecto de baquetas de tambor. (como na tuberculose pulmonar crónica).   A sarcoidose pode ser assintomática, mas a febre a perda de peso e as dores articulares, podem ser as primeiras manifestações da doença

Diagnóstico

  1. a) A radiografia torácica revela a presença de tecido cicatricial e a formação de cistos nos pulmões. Numa fase menos avançada da enfermidade as radiografias podem ser normais e em alguns casos mesmo nas situações de sintomatologia mais grave
  2. b) As provas da função pulmonar mostram que o volume de ar retido pelos pulmões é inferior ao normal
  3. c) A gasometria arterial revela concentração baixa de oxigénio no sangue
  4. d) A biopsia pulmonar por broncoscopia ou cirúrgica, é um procedimento especializado de confirmação do diagnóstico realizada por especialistas, seguido pelo exame citológico laboratorial (laboratório de anatomia patológica)
  5. e) Existem variantes da fibrose pulmonar como a pneumonia intersticial descamativa da fibrose idiopática, cujo exame microscópico do tecido pulmonar é distinto e especifico  da enfermidade
  6. f) Outra variante é a pneumonia intersticial linfóide que ataca os lobos inferiores do pulmão. Este género de pneumonia pode ocorrer em adultos e crianças com HIV.
  7. g) Nos casos de sarcoidose, no hemograma, os linfócitos podem estar baixos e as taxas sanguíneas das imunoglobulinas estarem elevadas. O cálcio sanguíneo e urinário podem estar elevados. Quando existem alterações no fígado a fosfatase alcalina e outras enzimas podem estar elevadas como a enzima conversora da angiotensina ECA. Tratamento médico especializado:

1 Depois de uma avaliação médica com auxílio de radiografias podem ser prescritas a prednisona, azotioprina. O recurso a outras terapias estão a ser testadas

  1. A oxigenio-terapia é o recurso de compensação do oxigénio sanguíneo. Pode ser também necessária usar antibióticos, para combater bactérias oportunistas ou outros microorganismos

3 Medicação para prevenir a insuficiência cardíaca

4 Um recurso avançado em casos específicos é o transplante pulmonar

OBS: O êxito do tratamento, pode ser monitorizado através radiografias e provas da função pulmonar.

 

 

Gastroenterite Aguda

Redrate
Redrate 20 saquetas pó para solução oral
Medicamento indicado na correção da desidratação em casos de diarreia, vómitos e outros estados de desidratação.

Definição: síndrome diarreica aguda de menos de oito dias de evolução com a diminuição da consistência das fezes e um aumento da frequência das dejecções.

Causas

    O agente causal nas gastroenterites

1)      Invasivo/inflamatório: Salmonela, Shigella, Campylobacter, Escherichia. Coli Yersinia enterocolitica, Clostridium difficile, Citomegalovírus.

 2)      Não invasiva: toxicogénica., Sataphilococus. aureus, E. coli, Bacillus. cereus, Clostridium. perfringens, Vibrião. cholerea, Rotavírus, vírus de Norwaik, Parvovírus, Adenovírus, vírus da Coxsackie, Giardia lamblia, Criptosporydium, Isospora belli. (protozoário)

 3)      Não infecciosas: alimentares, fármacos, (antibióticos laxantes digitálicos tóxicos e simpaticomiméticos).

Diagnóstico médico

Suspeita de germe invasivo quando há sangue nas fezes, febre, calafrios, o hemograma com 15000 leucócitos /mm3 com aumento de neutrófilos em bastonete na fórmula leucócitaria.

Exames complementares: coprocultura, pesquisa de ovos e parasitas, quistos e trofozoitos, hemograma, ionograma (equilíbrio ácido/ básico), creatinina, sangue oculto nas fezes, radiologia simples do abdómen, rectoscopia com biópsia.

Tratamento médico

Casos com pouca gravidade: rehidratação oral e medidas alimentares.

Trimetroprime-sulfametoxazol 160a80 mg p.o 12-12 h. (pediatria: 8 a 40 mg/kg/d  p.o .em 2 doses)

Ou ciprofloxacino: 250a750 mg p.o. de 12em12 h. 8a14 d.

Para os vómitos metoclopramida. Como antipirético paracetamol com o brufene alternado.

Difenoxilato e loperamida para melhorar a dor e diminuir o número de dejecções (estão contra-indicados se existem germens invasivos)

  Grave: hidratação parenteral, trimetoprime-sulfametoxazol ou ciprofloxacino.

Literatura auxiliar GUIA MERK e Saúde Pela Alimentaçã

Procure sempre ajuda médica.