anona

Nota: é a anona um  anticancerígeno ou curativa do cancro? Não…

Nota: todas as noticias da anona como curativa do cancro não têm fundamento científico e são especulativas. Continuamos a defender que uma alimentação vegetariana é preventiva e deve ser incluída  na cura convencional. Veja   a Ciência  e o Cancro e NOTICIAS SOBRE O CANCRO DE  J. O.

 

´

A equinácea, para a qual não há referência  de  efeitos secundários, tem vindo a ser utilizada nas doenças infecciosas em geral. O efeito da equinácea é sobretudo preventivo, pois estimula as defesas do organismo. Assim, esta planta pode ser benéfica em muitas doenças infecciosas como: gripes, sinusites, amigdalite, e infecções respiratórias. Esta planta é mais popularmente utilizada no tratamento de constipações.

Também tem sido alvo de estudo o contributo da equinácea para o aumento das  imunoglobulinas,  leucócitos e das defesas do organismo após tratamentos de radioterapia ou quimioterapia a sua utilização deve ser sempre considerada como complemento de outros tratamentos e não substitui as terapeuticas clássicas. Há varias marcas disponíveis no mercadov380238_prozis_echinacea-1500-mg-90-caps_1

O CANCRO E OS AVANÇOS DA CIÊNCIA

A genética e a biologia molecular abriram novos campos na investigação do cancro. Descobriram-se genes específicos dominantes e supressores, oncogenes que se encontram no ADN das células ou no ADN dos vírus.

Na célula normal, alguns oncogenes dominantes podem estar presentes, mas não estão ativos; quando se ativam, desencadeiam um processo cancerígeno por ação de agentes físicos ou químicos (tabaco e radiações UVA ou Raio X, etc.). Os oncogenes supressores, quando presentes numa célula normal têm a função de defender as células do processo cancerígeno, quando se verifica perda de auto-controlo celular.

A investigação laboratorial do oncogene descobriu que este gene, o p53, elabora uma proteína também chamada p53, cuja taxa de concentração sanguínea se encontra abaixo do normal em muitas neoplasias. Outros genes mamários e do ovário foram descobertos.

Aproximadamente 20% dos casos de câncer de mama familiar estão associados a um dos genes  hereditária para câncer de mama e ovário, BRCA1 e BRCA2. Recentes trabalhos têm demonstrado o mecanismo de acção destes genes com funções establecidas na manutenção da integridade do genoma e no controle da recombinação homóloga .

Genoma:  (Conjunto de toda a informação genética de um indivíduo ou de uma espécie, codificada no ADN.)

Hoje, graças à investigação, são conhecidos outros oncogenes supressores das neoplasias do rim, da mama, do cólon  do pulmão e da Próstata o gene específico PCA3. Resumindo, depois do ADN ter sido afetado por um agente cancerígeno, a proteína p53 do oncogene supressor vai diminuir a primeira fase de divisão celular, tornando-a mais lenta e possibilitando uma reparação da célula que passa a reproduzir o material genético normal. Quando a proteína p53 está reduzida ou totalmente inibida, inicia-se o processo contrário e a reparação da célula é impossível, passando esta célula a reproduzir o ADN anómalo, dando origem ao processo cancerígeno. O estudo detalhado da micro anatomia celular deu origem ao aparecimento de várias substâncias que estão a ser usadas com as terapias clássicas na cura do cancro, tais como: A trenitoína, um derivado da Vitamina A,  que pode   ajudar  nos cancros da mama, próstata e tumores dos tecidos epiteliais. È possível que outros recursos sofisticados apareçam no futuro e os meios de diagnóstico sofram grandes avanços.

As citocinas de origem celular transmitem mensagens urgentes de alerta às células vizinhas. No grupo das citocinas foram isoladas as interleucinas, o interferon, fatores de necrose dos tumores, fatores de crescimento. O Tamoxifen é uma substância hormonal que  é usada nas metástases em casos de reincidência ou de infiltração do tumor mamário. O tratamento com vírus portadores de genes que produzem interleucinas e fatores específicos de necrose tumoral é uma inovação nas terapêuticas em constante investigação.

Diagnóstico

A avaliação de fatores de risco como o tabagismo, viroses, fatores hereditários (precedentes familiares) é fundamental para um diagnóstico precoce do cancro. Os meios auxiliares de diagnóstico na identificação do gene de predisposição facilita a escolha da terapêutica mais correta. As campanhas antitabágicas, a alimentação racional, as campanhas anti-alcóolicas, a luta contra o uso de drogas tóxicas, constituem o ponto fundamental da medicina preventiva nas campanhas de prevenção do cancro.

O que deve fazer

Nos doentes de risco recomenda-se a observação médica em:

* sinais ou verrugas que sejam submetidas a irritação frequente;

* ulceração da pele, calosidades, manchas e verrugas que aumentem de tamanho;

* feridas que não cicatrizem, leucoplasias (manchas brancas que podem apresentar o aspeto de couve-flor) na língua;

* caroço ou manchas na mama, no caso da mulher;

* qualquer ferimento que não cicatrize na língua;

* feridas ou crostas nos lábios;

* perda de sangue pelo recto, urina e vagina, (quando termina a menstruação e continua a deitar pequenas quantidades de sangue);

* líquido seminal com sangue (Espermograma). PROSTATA

Outros sintomas como: perda de peso anormal;

* fraqueza;

* palidez e anemia

O despiste precoce,a alimentação e a prevenção, são a melhor arma contra o cancro. Evite o tabagismo e o alcoolismo, pois o tabaco pode ser considerado uma droga dura.