Informação dirigida a Técnicos de Saúde e Público

Dengue definição

O dengue é uma doença dos trópicos, transmitida pelo mosquito. Trata-se de uma infeção benigna, mas extremamente depauperante, com febre alta, dores de cabeça intensas, assim como dos músculos, articulações, ossos e parte posterior dos olhos. A febre pode ser contínua ou retroceder após o terceiro dia, com nova elevação 3 ou 4 dias depois, originando um gráfico característico. Aparece, no terceiro ou quarto dia, um exantema máculo-papular ou escarlatiniforme, (de cor vermelha), o qual persiste durante cerca de 3 dias.

Propriedades do vírus.

Os vírus do dengue possuem as propriedades gerais dos arbovírus. Pertencem ao grupo B e estão imunologicamente relacionados com os vírus da febre-amarela, Uganda S e Zika.

Não infetam a cobaia, coelho ou rato do algodão e causam no macaco apenas uma infeção inaparente. Algumas estirpes foram adaptadas ao rato adulto ou muito jovem, e produzem, nestes animais, a paralisia flácida. Outras estirpes foram cultivadas no embrião de galinha e culturas de rim de macaco e de criceto (pequeno roedor).Há, pelo menos, 4 tipos imunológicos diferentes.

Poder patogénico

O dengue resulta da inoculação do vírus pela picada do mosquito Aedes aegypti ou de outras espécies do género Aedes. Forma-se sempre, no local inoculado, uma pápula vermelha de 1 a 4 cm de diâmetro, que é uma lesão característica como sendo a zona de multiplicação local do vírus. 24 horas depois do início do primeiro acesso de febre, o vírus encontra-se na corrente sanguínea, e tem início a enfermidade.

Nas Filipinas, Tailândia e, recentemente, na Índia, tem-se verificado a infeção pelos tipos 3 e 4, que é acompanhada de manifestações mais graves com eclosão de petéquias (pequenas manchas negras) hemorragia nasal e gastrointestinal.

O dengue ocorre no leste do Mediterrâneo, África, América do Sul, Índia, Extremo Oriente e muitas ilhas do Pacífico. A infeção é transmitida pelo Aedes aegypti e outras espécies de mosquitos, e mantida através de ciclo que inclui os macacos e o homem. O mosquito torna-se infetante 7 a 10 dias depois de sugar o sangue do indivíduo atacado de dengue, e assim permanece até ao fim da vida. O vírus não é, transmitido, através do ovário, à descendência do inseto.

É possível que o macaco e outros animais selvagens constituam os reservatórios da infeção.

No tempo frio, em que o mosquito fica inactivo, cessam os surtos de dengue e apenas nas regiões do Globo em que as condições de calor e humidade se mantêm durante todo o ano a doença é permanente.

Diagnóstico laboratorial.

Pode isolar-se o vírus por inoculação intracerebral do sangue, colhido durante os primeiros 3 dias da doença, no rato de pouca idade; quando este morre, identifica-se o vírus com ensaios de neutralização e com antissoros específicos de tipo. Se os ratos sobrevivem, pode determinar-se a presença ou ausência do vírus, administrando-lhes, quando atingem 4 a 6 semanas de idade, 100 LD 50 de uma estirpe adaptada ao rato, por via intracerebral; se o animal não apresentar quaisquer sintomas, é de presumir que tenha adquirido resistência específica.

Os anticorpos neutralizantes aparecem nos 7 primeiros dias a seguir ao início da febre, e os fixadores do complemento, cerca de 2 semanas mais tarde.      aedes_4

A prova de inibição da hemaglutinação é, porém, a mais conveniente, porque permite, em geral, revelar um nítido aumento do teor de anticorpos, quando se compara o soro da convalescença, colhido durante os dois primeiros dias de ausência de febre, com o da fase aguda. Devem empregar-se, nestas provas, os antigénios dos vírus do tipo 1 ou tipo 2. É necessário grande cuidado na interpretação dos resultados das provas serológico, dada a possibilidade de respostas heterotípicas, em consequência de infeção por outros vírus do grupo B.

Profilaxia

A medida principal consiste na destruição do mosquito vetor que pica durante o dia. A fêmea deposita os seus ovos em recipientes com água; estes ovos podem eclodir mesmo depois de uma seca severa e são transportados a longas distâncias. A vacina contra a febre-amarela (17D) não confere qualquer proteção contra o dengue.

Tratamento

O que pode fazer

  • Beber muitos líquidos.
  • Manter-se em repouso e procurar ajuda médica para começar um tratamento sintomático, que alivia os sintomas e mantém a febre controlada.

Como acima referimos, o Dengue hemorrágico pode aparecer como recidiva do dengue normal; é, por isso, aconselhável sempre um parecer médico depois de um acesso do dengue. Dada a gravidade da forma hemorrágica com consequente alterações de fatores de coagulação como as plaquetas (trombocitopénia) e baixa acentuada da pressão arterial, recomenda-se o seguinte:

  • na manifestação hemorrágica do dengue, a aspirina e os anti-inflamatórios não devem ser utilizados como antipiréticos, pois existe o risco de efeitos colaterais, como: hemorragia digestiva e reações alérgicas, os quais podem diminuir mais a pressão arterial;
  • os fármacos com  dipirona, devem ser evitados sem prescrição médica, pois podem diminuir a pressão arterial e, às vezes, causar manchas na pele que se podem confundir com as do dengue;
  • o paracetamol é o mais utilizado para tratar a dor e a febre no dengue, mas deve ser tomado segundo a posologia recomendada pelo médico, uma vez que doses muito altas podem causar lesão hepática;
  • a dose para adultos com idade igual ou superior a 18  anos, salvo indicação médica,  é de 1 grama 2 – 4 vezes por dia, com intervalos de 4 a 8 horas. A dose máxima diária é de 4 comprimidos. Nas crianças, tomar soluções pediátricas e seguir a posologia indicada sobre orientação médica.

Não existe vacina eficaz que confira uma imunidade até 70%. O dengue confere imunidade segundo o tipo da infeção (1, 2, 3 ou 4). Se, por exemplo, o doente não for infetado pelo tipo 3 e 4, não fica imunizado para esses dois tipos.

 

 

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Projecto Omega © 2018