Legionella-gram

 

Notas Históricas da Legionella

Legionella  pneumophila é uma bactéria que ficou conhecida 1976 numa convenção da American Legion  , no Bellevue Stratford Hotel na Filadélfia, onde se verificaram 34 óbitos e 221 doentes com uma pneumonia grave que sobreviveram. Outros países europeus já tiveram surtos da bactéria como em Portugal, que foi considerada uma emergência de saúde publica, com 336 infectados e 11 mortos, foi a 4º maior endemia mundial do surto da bactéria.

A investigação desta endemia, aumentou o conhecimento de características epidemiológicas importantes da bactéria, bem como, a sua ação patogénica ao nível dos pulmões, embora já fosse na época, uma bactéria conhecida sabe-se hoje que se reproduz e sobrevive dentro dos fagocitos.

Definição

  • Legionella pneumophila é uma bactéria pleomórfica flagelada que vive no meio aquático é uma saprófita da água, Gram-negativa, não fermenta a lactose, e exige meios nutritivos adequados ao seu desenvolvimento.
  • É oxidase positiva, catalase positiva e hidrolisa o hipurato.

Acção Patogénica

É intracelular facultativa, apresenta um sistema de secreção tipo IV, chamado dot/icm responsável por sua capacidade de invadir a célula hospedeira.

Este conceito microbiológico está em fase de investigação e confirmação científica.

images

torres de refrigeração

Como se origina a infeção                 

 

  • Por inalação gotículas de água ou aerossóis contaminada com a Legionella
  • Nos chuveiros domésticos e torres de refrigeração
  • depósitos de água ou termoacumuladores sem regulação adequada, água aquecida deve estar nos 75°C que é a temperatura letal para a bactéria.
  • A água para consumo não produz a infeção

Ação Patogénica

A Legionella pneumophila multiplica-se no interior das células vivas, por ação das:

fosfataseslipases e nucleases incrementando a fagocitose.

Resposta imunológica

Existe formação de  anticorpos  aumentando os macrófagos, que podem eliminar a bactéria ou não dependendo do estado imunológico do paciente.

Após a inalação para os pulmões, a Legionella pneumophila entra nos macrófagos alveolares e multiplica-se.

Em circunstância favoráveis , a L. pneumophila é relativamente resistente aos neutrófilos e multiplica-se dentro dos monócitos.

Sintomas

  • Tosse
  • Febre alta
  • Pontadas torácicas
  • Em alguns casos também  dores musculares e diarreia

Factores de risco

  • Os métodos mais eficientes para o diagnóstico da Legionella pneumophila são: Imunofluorescência direta, método menos sensível

pode ser aplicada em diferentes amostras respiratórias como: expectoração, secreções brônquicas, lavado bronco-alveolar (Broncoscopia) e biópsia pulmonar. Tem as vantagens de poder ser utilizada vários dias após o início de antibioterapia e do seu resultado poder ser dado no mesmo dia.

  •  Imunofluorescência  indireta, técnica com maior sensibilidade. (Pesquisa de antigénios marcados com fluorocromos na presença de anticorpos específicos em células e tecidos com microscopia de florescência )

O resultado pode ser dado no mesmo dia.

  •  Culturas da expectoração e outras amostras respiratórias.         

O isolamento do agente em cultura permite isolar teoricamente qualquer estirpe pertencente a este género e continua a ser o método de referência (Gold standard) e o único que permite, a posteriori, estudos epidemiológicos completos que incluem a tipificação das estirpes de origem humana e de origem ambiental e a consequente possibilidade de comparação entre as hipoteticamente associadas para estabelecimento de eventual relação causa/efeito.  nota da Direção Geral da saúde

 

  1. d) Métodos menos fiáveis incluem:

Prevenção e profilaxia

  • A prevenção da contaminação das águas faz-se pela: adição e reforço de cloro na rede publica de abastecimento.
  • ou pela elevação da temperatura da água nos reservatórios de águas quentes , para temperaturas a 75 ºC .
  • pela inspeção de torres de refrigeração fabris e análises periódicas da água da rede publica. Outras medidas restritivas e abrangentes podem a vir a ser aplicadas.

Numa zona endémica

  • Evitar Duches,   fazer periodicamente limpeza dos filtros de ar condicionado das habitações e   mudar os filtros nos automóveis.
  • nos termoacumuladores regular a temperatura para 75ºC
  • Mergulhar os telefones dos chuveiros em água com lixívia durante 30m evitar hidromassagem
  • Evitar a aproximação a torres de refrigeração e fontes decorativas aonde a água é projetada à pressão (repuxos).
images (1)

repuxos decorativos

Tratamento                     

  • O tratamento farmacológico só se aplica à Doença do legionário, já que a Febre de Pontiac ao fim de 1 a 5 dias cura expontaneamente.
  • Como antimicrobiano de primeira escolha usar a eritromicina.

05-1g p.o. c/6h

X8-14 dias 01g i.v.

X   4-8 d

  • Antimicrobiano segunda escolha utilizar a rifampicina.

10mg/Kg/d máximo 600mg/d p.o. ou i.v.

a duração depende do critério médico

OBS: A Febre Pontiac é causada pela infecção tipo gripal não pneumónica, provavelmente com uma das estirpe da Legionella pneumophila. (cerca de 22 estirpes) A verdadeira causa encontra-se em fase de investigação. O seu período de incubação é de 12-36 horas.

Sintomas: febre, calafrios, tosse, dores musculares, cefaleias, dor torácica e pleurisia.

PO

Referências

Nota:  as bactérias pleomórficas   não possuem paredes celulares e por este motivo não apresentam forma definida.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Projecto Omega © 2016