transferir (1)

                    ANOPHELES

images

                   ZANZARA TIGRE

 

Parasitas da malária (paludismo) humano 

(Género Plasmodium)                                                     

 Formas no hospedeiro humano: 

O esporozóito (corpúsculos muito pequenos) é introduzido na pele pela picada do mosquito infectado

 Fase esquizogónica pre-eritrocitica (Transformação no fígado do esporozóito em trofozóito que produz mais de10000 merozóitos) 

 Formas assexuadas nos glóbulos vermelhos (nova transformação no interior dos glóbulos vermelhos dos merozoítos em trfozóitos jovens)

 Gametócitos nos glóbulos vermelhos (Desenvolvem-se a partir dos merozóitos)

Espécies de plasmódios agentes da malária humana:

  1. Plasmodium vivax
  2. Plasmodium falciparum
  3. Plasmodium malariae 
  4. Plasmodium ovale

Nenhuma das raças humanas está imunizada contra as quatro espécies de parasitas da malária. A malária é hiperendémica nas regiões tropicais. Outros factores do hospedeiro humano, compreendem as formas do parasita no sangue circulante do doente e o número de indivíduos infectados numa comunidade. Podemos considerar factores relevantes como:

  1. a) A transmissão exige um grau elevado de gametócitos maduros de ambos os sexos no sangue.
  2. b) A vitalidade dos gametócitos varria de indivíduo para indivíduo em diferentes períodos da infecção e virulência da estirpe do plasmódio
  3. c) Portadores são os doentes em que permanecem no seu sangue circulante, por um período considerável, gametócitos. Representam perigo para a comunidade. 
  4. d) A proliferação varia com as diferentes espécies de mosquito Anopheles e o local escolhido para a postura dos ovos.
  5. e) Como profilaxia, o objectivo é evitar a transmissão dos plasmódios do homem ao mosquito, pelo tratamento das infecções humanas e protecção das populações pela picada do Anopheles

Como medidas contra o mosquito: protecção das habitações com redes nas janelas e portas interiores, mosquiteiros nas camas, pulverização das paredes interiores com insecticidas.

Acção patogénica e sintomatologia

 A primeira manifestação característica da malária vivax, ovale ou quartã surge subitamente com um arrepio seguido de temperaturas de 40ºc – 40.6ºc 

 Na infecção aguda: dores de cabeça, dores musculares, náuseas e vómitos, dores abdominais, pulso e respiração rápidos. Depois de prolongar-se por várias horas o acesso febril termina com o doente exausto, mas aliviado. 

 No Plasmodium falciparum o arrepio é menos pronunciado, mas a crise febril é mais prolongada. A malária falciparum é acompanhada de manifestações perniciosas como: convulsões, colapso cardíaco, e pode Não se registar elevação apreciável da temperatura

 

Complicações da malária

 O P. vivax e ovale não trás complicações. O P. falciparum pode ter consequências graves sobretudo na criança, a malária cerebral pode ocorrer subitamente com temperaturas muito altas e convulsões coma e morte. 

 Nos episódios clínicos agudos, manifesta-se a febre hemoglobinúrica, embora possa ocorrer apenas nas frequentes exposições ao parasita, com tudo ainda pode aparecer algumas semanas de pois da infecção, com: arrepios severos, calafrios, febre elevada, icterícia, vómitos e anemia com emissão de urina vermelho-escura ou preta.

 No P. falciparum quando os parasitas desaparecem do sangue dá-se a cura. Nos outros tipos, pode dar-se a ocorrência de recidivas que paras o P. vivax continuam por um período de 2-3 anos. Na febre quartã pode surgir um novo ataque muito anos após o primeiro.Tratamento da malária

(Sugestões)

O tratamento do doente deve fornecer alivio rápido e seguro dos sintomas que acompanham a infecção eritrocitica.

Usou-se durante muito tempo a cloroquina e amodiaquina:

 Para o tratamento de todas as espécies fosfato de cloraquina oral 1gr imediatamente, depois 500mg dentro de 6 horas e 500mg no segundo e terceiro dias   

 Injectável nos doentes com vómitos e em estado de coma. Estas formas de malária, contudo adquiriram alguma resistência e virulência é necessário recorrer a outras formas de medicação como:

 Nos primeiros 3 dias no adulto um comprimido de 500mg de cloridrato de quinino de 8 em 8 horas durante 10 dias

 Na criança 10mg por cada quilo de peso de 8 em 8 horas ( o quinino deve ser tomado após uma refeição)

 Como alternativa pode-se associar a tetraciclina com o quinino:

Quinino nos primeiros três dias. Tetraciclina sem quinino durante mais três dias.

Observação: deve-se ter cuidado com alergia e reacções ao nível da medula. (detectáveis por análise de sangue)

 

No hospital da Missão do Bongo em Angola (zona endémica do P. falciparum) usava- -se associação da resoquina oral com o quinino oral.

 

A mais usual é aplicação de cloridrato de quinino diluído em soro glicosado na concentração de 1mg para cada ml de soro, gota a gota, contínuo e lentas aproximadamente 4 horas. 

NOTA: atenção aos diabéticos

 

Nas regiões em que o paludismo não é resistente, pode-se dar a seguinte medicação com comprido de 150 mg de cloraquina oral

                                          dia                            dia                           dia

                                              1º                              2º                             3º      

      

No adulto                    4 comp                   3 comp                 3 comp

de 12 a15 anos           3 comp                  2 comp                 2 comp

de 7 a 11 anos            2 comp                  1,5 comp              1.5 comp

de 3 a 6  anos             1 comp                   1   comp               1 comp

de 1 a 2  anos             1 comp                   0,5 comp             0,5 comp

6 a 11    meses           05 comp                  0.5 comp            0,5 comp

Quinidina: 15 mg/kg e.v. lento 4 h. na primeira dose+ 12mg/kg e.v em 4 h. de 8 em 8h. ou 10mg/kg p.o. de 8 em 8  h.

Cloraquina: 600mg + 0.5g depois de 6h. + 0.5g/d 2 dias (dose total 2.5 g)  ou 600mg e.v. em 300ml de soro fsiológico durante 2- 4 h. e de 8 em 8h. até ao tratamento oral. 

Dose pediátrica: 10mg/kg p.o.+ 5mg/kg 6h. depois+ 5mg/kg 2 dias (para profilaxia 5mg/kg /semanal

 

ANTIPALUDICOS

Alcalóide cinchónicos————Orais———————-Quinina

                                                                     Parentéricos————Quinidina

 

Aminoalcoois——————— Orais———————-Halofantrina

                                                                                           

                                                                    Parentérico————-Mefloquina

 

4-aminiquinoleínas—————Orais——————– Amodiaquina    

                                                                                                                    Cloraquina      

8-aminiquiloneínas—————-Orais——————    Primaquina

 

 

Antibióticos———————–   Orais——————–Clindamicina

                                                                                                                   Clorotetraciclina

                                                                                                                   Doxiciclina

                                                     

                                                                    Parentéricos———–          Clindamicina

 

Biguanidas————————–  Orais——————–Proguanil  

 

Diaminopiridinas——————- -Orais——————Pirimetamina

 

Sulfamidas e sulfonas ————- -Orais——————-Dpsona           

   NOTA:

Para tonificar o organismo, tome com frequência um duche quente de longa duração, seguido de duche frio de curta duração, dirigindo o jacto do chuveiro sobre a coluna vertebral e pernas. Tome sumo de Aloé vera.

Estas medicações  destinam-se a técnicos de saúde em zonas carenciadas  e  não substituem o critério médico .

PO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Projecto Omega © 2018