TOXICODEPENDÊNCIA O que deve saber…

Dezembro 7, 2014

TOXICODEPENDÊNCIA

O que deve saber:

Marijuana

Conhecida com o nome de Liamba, Hashish, Charas, Bhang, Ganja, Sinsemilla. Quimicamente, pertence ao grupo dos canabinóides (tetrahidrocanabinol delta-9) (TCH), e tem a designação de Cannabis sativa.

Não é hidrossolúvel, é lipossolúvel, o que a torna particularmente perigosa, por isso é de considerar o seguinte:

O sistema do corpo humano de eliminação de substâncias tóxicas usa a água nos processos de desintoxicação. A mielina das fibras nervosas é constituída por gordura, facilitando a sua acção nefasta ao nível do sistema nervoso central e levando o viciado a ter dificuldade em expressar ideias complexas e recordar as mais simples. (articula frases incompletas).

Os chamados metabolitos aparecem na urina, mesmo depois de uma semana, e depois de um mês as análises podem ainda dar positivas.

O seu princípio activo, ao fumar uma só dose, permanece no organismo durante um longo tempo.

Contém os mesmos elementos prejudicais à saúde que o tabaco e em maior quantidade.

Contém mais alcatrão 3-4- Benzopireno e  outras substâncias cancerígenas e irrita mais os pulmões, dando origem a bronquites. É também causador do cancro do pulmão e do enfisema pulmonar e do cancro da laringe.

Em alguns casos, o tabaco pode levar 20 anos a produzir um cancro. A Marijuana pode encurtar drasticamente esse tempo e, quando acrescentamos o tabaco normal, o risco é muito maior.

Sobre o aparelho reprodutor, diminui a produção de testosterona (a hormona sexual masculina) e a produção de espermatozóides.

Nas mulheres aumenta a irregularidade do ciclo menstrual e da ovulação e possivelmente diminui os estrogéneos, aumentando o risco da osteoporose e dos abortos. Diminui o peso do feto, há maior possibilidade de morte depois do nascimento e provoca retenções placentares.

O fumador de Marijuana está a jogar a roleta russa…  Dizer que os canabinóides são inofensivos é um mito que pode levar o viciado a uma morte prematura ou torná-lo um peso morto para a sociedade.

A Marijuana é uma droga alucinógenica, pois provoca alucinações.

A Trombo Angeíte Obliterante leva à amputação de um membro e há casos descritos desta ocorrência nos fumadores de Marijuana.

Farmacodinâmica 

*      O pico da sua acção é de duas a três horas e pode persistir até duas a cinco horas depois.

*       Na urina, os metabolitos mantém-se durante 1 a 3 dias.

*       Nos fumadores crónicos, os metabolitos estão presentes por várias semanas.

*      Aumenta a potência dos barbitúricos.

*       É um analgésico.

*        Diminui a temperatura corporal.

*        È um imunossupressor (diminui a produção   de anticorpos), tornando o viciado mais susceptível a infecções e cancro.

Efeitos farmacológicos ao nível do cérebro.

Doses tóxicas podem causar:

  • Desilusão.
  • Paranóia.
  • Alucinações.
  • Confusão e desorientação.
  • Despersonalização.
  • Alterações da percepção sensorial.
  • Pode piorar uma esquizofrenia  clinicamente  estabilizada.

COCAÍNA

QUE DEVE SABER

A cocaína é uma substância pura, extraída do seu sal cloridrato ou sulfato. Fumar pasta de base livre de cocaína converteu-se num passatempo generalizado. Numa noite de Junho de 1980, ao preparar pasta livre, o traficante Richard Pryor sofreu queimaduras de terceiro grau. Este acidente levou os viciados a preparem o crack, como é chamada a cocaína barata e altamente perigosa para a saúde. O processo químico caseiro para preparação do crack usa o bicarbonato de sódio a partir da pasta de base. O cocainómano pode interromper o uso da cocaína pura sem que a sua falta provoque grandes sofrimentos ao organismo, ao contrário da heroína.

 A droga provoca uma grande dependência psíquica acompanhada de grande euforia, o que faz com que o seu uso se generalize cada vez mais entre as camadas intelectuais, adquirindo a categoria da droga dos executivos da classe média alta.A cocaína pura é inalada e o crack fumado.

 Alguns efeitos evidentes da cocaína:

  • Injectada por via intravenosa produz bem-estar e confiança e, por vezes, euforia.
  • Comportamento anormal, com manifestações de euforia, grandiosidade, estado de alerta, agitação psicomotora, capacidade alterada e juízo deteriorado na actividade laboral.
  • Taquicardia, dilatação pupilar, aumento da tensão arterial, suores ou calafrios, náuseas e vómitos e alucinações visuais ou tácteis.
  • A intoxicação de doses altas por via intravenosa pode fazer-se acompanhar transitoriamente de paranóia, sensação de pensamentos profundos, aumento do interesse sexual, formigueiro.
  • Depois dos efeitos psico-activos provocados por doses altas, aparecem efeitos desagradáveis que incluem prostração e abatimento e necessidade da droga.
  • O viciado em cocaína pode ter graves complicações como síncope, manifestações epilépticas que podem levar à morte por problemas cardíacos e paragem respiratória.
  • Distúrbios nas taxas da glicose sanguínea e na oxigenação dos tecidos.
  • A cocaína como as anfetaminas são psico-estimulantes, reduzem a fadiga e alteram a energia.
  • A cocaína está associada à violência, suicídios, homicídios e acidentes. Existem entre 20-30 milhões de viciados em cocaína nos USA.
  • A pasta de base é mais prejudicial e não pode ser utilizada por via intravenosa ou intramuscular. Por inalação causa grandes prejuízos às fossas nasais e por via digestiva produz pouco efeito. Devido às impurezas que contém é usado em cigarros e cachimbo.

Mitos e conceitos erróneos  

Os mitos e conceitos erróneos muito difundidos que aumentam o risco para os viciados deste alcalóide são:

o uso da cocaína por via nasal reduz o risco da absorção rápida e, por conseguinte, do vício. (mito falso)

Mas a realidade é outra, mais de 60 a 70% dos que vão aos bancos de urgência são os que inspiram a droga e muitos acabam por morrer.

A inspiração da cocaína acumula no sangue níveis perigosos.

Nos fumadores de base livre, ocorrem reacções tóxicas e problemas pulmonares, levando o consumidor à morte.

No sexo feminino, pode ocorrer separação prematura da placenta e morte do feto e ainda graves perturbações no útero.

Estudos recentes por especialistas revelaram que a morte causada pela cocaína pode ocorrer de três maneiras diferentes:

 

  1. Por paragem respiratória resultante de uma overdose,
  2.  Por paragem cardíaca nos viciados crónicos com hipersensibilidade ao nível do coração. (fibrilação ventricular)
  3.  Por convulsões, quando o viciado não respira suficientemente rápido para repor o oxigénio requerido pelo organismo, resultando em esgotamento respiratório.

A HEROÍNA

È um opiáceo derivado da morfina. (diacetilmorfina) A sua estrutura química é diferente num aspecto: é mais solúvel em gordura, o que significa que aumenta a possibilidade de passar a barreira sanguínea cerebral e devido a essa possibilidade produz o rush.

É um pó cristalino, branco, amargo, cuja potência analgésica é três vezes superior à da morfina.

Quando associada ao crack (combinação chamada “a oitava bola”), cria vício de polidrogas difícil de tratar e verificam-se euforia, paranóia e ansiedade moderadas; também é reduzida a depressão quando o efeito da cocaína acaba.

A metadona é usada para substituir a heroína, transformando assim o viciado neste opiáceo num viciado em metadona, retirando-se depois lentamente deste opiáceo.

Características de uma ressaca

*      Inquietude

*       Necessidade obsessiva da droga.

*       Disforia.

*       Transpiração.

*       Ansiedade extrema.

*       Vómitos.

*       Cãibras

*       Diarreias explosivas.

LSD 

Dietilamida do ácido lisérgico, a extracção é feita a partir do esporão do centeio. A ingestão é feita por via sublingual

Efeitos imediatos

-Dilatação pupilar

-Taquicardia

-Aumento da temperatura corporal

-Formigueiro e falta de sensibilidade nas extremidades

-Despersonalização

Efeitos a longo prazo

Alterações mentais muito graves:

Paranóia, esquizofrenia, alucinações e muita ansiedade, ataques de pânico.

Não se verificam sintomas de abstinência e observa-se uma grande tolerância nos viciados, o que torna particularmente perigosa a ingestão deste químico.

Carbamatos

Quimicamente são incolores, quase inodoros e de sabor amargo.

Na dose terapêutica, a sua toxicidade é reduzida, mas quase sempre a intoxicação é frequente e observam-se alterações cardiovasculares, hipotonia, hipotermia, midriases (dilatação anormal pupilar)

Na síndrome de abstinência, que aparece pouco depois de ter abandonado a droga, manifesta-se a confusão mental e, mesmo em alguns casos, crises de epilepsia.

PCP

Quimicamente, a fenilciclidina é um anestésico usado em veterinária com efeito alucinogénico no ser humano.

Efeitos:

* Desorientação (andar nas nuvens como se flutuasse)

* Descoordenação motora

* Delírio de terror

* Principio de loucura

Na overdose: vómitos, agitação e desorientação, dificuldade respiratória e convulsão

Benzodiazepinas

Em pequenas doses diminuem a ansiedade sem produzir sedação ou sono. São usados como um pré-anestésico e na toxicodependência (álcool e opiáceos)

Estes fármacos produzem sintomas de abstinência como os barbitúricos: irritabilidade e insónia, sonolência, espasmo muscular, intolerância à luz e ruídos.

Barbitúricos

São derivados do ácido dietil-barbitúrico. Os barbitúricos provocam grande tolerância e necessidade de aumentar a dose para obter um mesmo efeito. Esta tolerância é indesejável porque conduz a um forte vício psicológico e físico. O seu consumo leva o viciado à toxicodependência.

Abstinência

Os sintomas de abstinência são: delirium tremens dos alcoólicos associado a convulsões.

Overdose

Dispneia ou apeneia, hipotensão arterial, dor de cabeça e confusão mental, delírio, sono profundo e, por fim, coma e morte.

Efeitos

Depois de 15 a 30 minutos: efeito sedativo em doses pequenas, hipnótico em doses médias e anestésico em doses altas.

Nota: adição pode  significar qualquer dependência psicológica ou compulsão.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Projecto Omega © 2018